Apercebi-me recentemente de que este blog nunca viu uma publicação sobre Lisboa – e já é tempo. Vivo junto à capital, conheço-a relativamente bem (pelo menos a zona ribeirinha) e nunca fiz um único post sobre a cidade! Como é possível? Provavelmente deve-se ao facto de a ter tão perto, de fazer parte do meu quotidiano – ainda assim, não justifica. Em Lisboa há imensas coisas para conhecer e, como não quero cair nos clichés do costume, desafiei-me a fazer uma lista de sítios interessantes e baratos a visitar na cidade, que servissem qualquer carteira. Excluindo jardins e miradouros a tarefa pode parecer complicada, mas a verdade é que não foi nada difícil e rapidamente me lembrei de uma série deles. Vamos a isso?
 

 

1. Museu Geológico. Este museu, que nunca vi referido em qualquer roteiro de Lisboa, é um autêntico tesouro perdido da cidade. Localizado na Rua da Academia das Ciências, perto do Largo de Camões, é especialmente interessante pelo facto de ser um «museu dos museus». Isto é, para além da colecção que expõe, essencialmente relacionada com a paleontologia, arqueologia, geologia e mineralogia, apresenta uma organização típica dos museus dos inícios do séc. XX. Ao entrarmos no Museu Geológico, viajamos até ao início do século XX e aos museus da época, pouco organizados, de carácter essencialmente expositivo e sem grandes explicações associadas. Uma autêntica viagem no tempo por 2,50€ – ou menos, se fores estudante. Visitem!

2. Museu Colecção Berardo. Este creio que quase dispensa apresentações. Localizado em plena Belém, no edifício do CCB, com uma colecção permanente representativa da arte moderna e contemporânea portuguesa e internacional. Como referi recentemente, há anos que não visito o museu, mas recordo-me que adorei conhecer a colecção – apesar de não ser a maior fã de arte contemporânea. Pela localização, colecção e, claro está, por ser gratuito, conhecer este museu é, a meu ver, indispensável.

3. Muralha de D. Dinis – Banco de Portugal. Voando directamente até à Baixa de Lisboa, no Largo de São Julião, junto à Praça do Município, encontramos um dos mais recentes museus da cidade, onde podemos apreciar e conhecer o único troço conhecido da muralha de D. Dinis. Para além dos vestígios da muralha, classificada como Monumento Nacional, temos a oportunidade de conhecer os vários achados arqueológicos que foram feitos durante a escavação da Igreja de São Julião (actual edifício do banco), que vão desde o período romano à actualidade. E todo este pedaço da história de Lisboa esta acessível de forma completamente gratuita! Têm ainda a possibilidade de conhecer o interior do antigo cofre-forte do Banco de Portugal, o que também é uma experiência espectacular.

4. Miradouro de Santa Justa. Este é dos típicos, diria até um grande cliché, mas a vista sobre a cidade é tão bonita que julgo que vale a pena. Claro que podemos obter uma vista vagamente semelhante desde o miradouro de São Pedro de Alcântara (onde não é preciso pagar para se apreciar a cidade), mas a vista de Santa Justa tem aquele je ne c’est quoi.5. Museu e Convento do Carmo. E já que estamos no miradouro de Santa Justa, porque não conhecer o vizinho Convento do Carmo, um dos poucos sobreviventes do terramoto? No Convento do Carmo não vão ver tecto, porque esse caiu com o terramoto e não foi recuperado. O Convento em si é lindíssimo e conta muito da história do terramoto; a exposição que alberga, de arqueologia, ainda melhor. Apesar de pequena e simples, é daquelas que contenta os olhos de qualquer um, principalmente na chegada à sala da biblioteca, onde se encontram as adoradas múmias peruanas, super bem conservadas. Se ainda não conhecem, deviam!

6. Estufa Fria. Ok, tenho de ser honesta, esta é a única coisa da lista que não conheço. Vergonhosamente, nunca visitei a estufa fria de Lisboa (!!?). Para além disto, o valor da entrada é 3,10€, o que supera um pouco o limite que estabeleci (mas vá, é só um bocadinho e aos domingos e feriados a entrada é gratuita até às 14h). Imagino que seja lindíssima e resulte num maravilhoso passeio, pelo que tinha de a colocar na lista. Além do mais, é bastante central, em pleno Parque Eduardo VII. Claro que vai entrar directamente para a minha lista de «coisas a conhecer urgentemente» – e, se ainda não conhecem, deve entrar na vossa também.

7. Núcleo Arqueológico da Rua dos Correeiros. Este é mais um dos segredos escondidos da cidade de Lisboa. Bem, não será tão «segredo» como há uns anos atrás, mas ainda assim conserva a sua dose de secretismo. No núcleo da Rua dos Correeiros (uma das paralelas da Rua Augusta), viajamos pelo passado da cidade de Lisboa, desde os momentos mais antigos – do período fenício e romano -, até aos mais recentes – em que se pode contemplar a famosa estacaria pombalina -.  A visita é gratuita e guiada, pelo que está sujeita a horários definidos. É uma autêntica viagem ao subsolo e passado da cidade, por entre épocas e acontecimentos, que nos dá uma perspectiva bem diferente da nossa capital.

8. Pastéis de Belém… e não só. E porque andámos muito por Lisboa, a conhecer todas estas maravilhas por menos de 3€, é tempo de recarregar energias junto a Belém e com os seus famosos pastéis. O sítio está recheado de turistas a toda a hora, pelo que enquanto apreciam o pastel, proponho que caminhem até à hamburgueria Honorato e entrem no pequeno beco ao lado, denominado Beco do Chão Salgado. Aí encontram um pilar de pedra, que marca o sítio onde em tempos foi a casa de José Mascarenhas, Duque de Aveiro, condenado juntamente com os Távoras pela suposta tentativa de assassinato ao rei D. José. O pilar assinala a ordem do Marquês de Pombal de salgar as terras do duque, algo que se fazia na época com o intuito de deixar as terras impróprias para a agricultura. Curiosamente, onde em tempos se escreveu “Neste terreno infâme se não poderá edificar em tempo algum.”, vemos espaço livre apenas junto ao pilar, actualmente rodeado de casas e esplanadas, no meio das quais passa quase despercebido. Conhecer este pedaço da história de Lisboa? Completamente gratuito.

Conhecem algum dos sítios que mencionei? Se não, ficaram curiosos?
 
 
 
 

 

PLANEIA AQUI A TUA PRÓXIMA VIAGEM!
  Vais viajar? Se fizeres as tuas reservas através dos links dos posts aqui no blog vais contribuir para o crescimento do Aonde (não) estou, sem gastares nem mais um cêntimo por isso. Faz a tua reserva pelo BOOKING – site que utilizo há anos e te garante o melhor preço possível -, ou pelo AIRBNB – e ganha 30€ para a tua primeira viagem.