bruges-roteiro

Na minha curta passagem de 9 dias pela Bélgica, no final de 2016, Bruges foi o único sítio que me deixou completamente rendida. Esta pequena cidade da região da Flandres mantém ainda a sua arquitectura medieval, com pequenas casas, paredes em tijolo, pontes e ruas esguias, onde nos podemos perder por várias horas. Para redobrar o seu encanto, Bruges encontra-se recortada por inúmeros canais, o que lhe valeu a designação de “Veneza do Norte”.

Esta cidade, que viu o seu apogeu entre os séculos XIII e XIV, momento em que o seu porto era uma das mais importantes ligações ao mar Mediterrâneo, deixa-nos maravilhados pela sua arquitectura, pelo seu centro histórico tão bem conservado, pelos museus, monumentos e interessante história, bem como pelos seus vários mercados, que tanta vida dão à cidade. Porém, Bruges é uma cidade que podemos conhecer em apenas um par de dias – ou, em falta de tempo, em apenas 24 horas.

bruges-roteiro

bruges-roteiro

bruges-roteiro

Begijnhof e cisnes (muitos cisnes)

Da estação de comboio ao início do belo centro histórico de Bruges são apenas alguns minutos. Antes mesmo de chegar à primeira paragem, o convento de Begijnhof, é impossível não nos determos para apreciar a extraordinária vista: um canal, as casas típicas, a torre da igreja como pano de fundo e uma quantidade inacreditável de cisnes – um cenário digno de um autêntico postal.

Logo ali ao lado encontra-se a entrada para Begijhof, um convento de casas de fachadas brancas e jardins silenciosos que em tempos albergou um grupo de “beguinas”. Estas eram mulheres emancipadas que se dedicavam a ajudar os pobres, e se diferenciavam das restantes freiras por não seguirem costumes da Igreja Católica: não faziam votos, não renunciavam às suas posses e tinham liberdade para sair das suas comunidades e casarem quando entendessem – o que lhes valeu uma relação bem conturbada com Igreja. Actualmente ocupam o convento freiras da ordem de S. Benedito e várias mulheres de Bruges que decidiram não casar. À entrada, uma placa não deixa dúvidas sobre as regras do sítio: não fotografar as freiras e caminhar em silêncio.

bruges-roteiro

bruges-roteiro

bruges-roteiro

bruges-roteiro

bruges-roteiro

Onze-Lieve-Vrouwekerk e os canais

O percurso até à Igreja da Nossa Senhora de Bruges é repleto de canais, pontes e ruas pitorescas, onde poucos carros circulam. A extraordinária torre da Igreja é o edifício mais alto da cidade e a segunda torre de tijolo mais alta no mundo! A peça central do altar é o orgulho da cidade de Bruges: a Madonna de Michelangelo, uma das poucas estátuas do autor fora de Itália. Comprada por dois mercadores de Bruges, foi doada à Igreja nos inícios do século XVI e, depois de sobreviver aos saques de revolucionários franceses e alemães nazis, repousa hoje junto a várias personalidades importantes da história de Bruges.

bruges-roteiro

bruges-roteiro

bruges-roteiro

bruges-roteiro

bruges-roteiro

bruges-roteiro

Belfort, Grote Markt e casas coloridas

A praça central de Bruges, uma área enorme onde não raras vezes se encontram mercados gastronómicos, alberga também dois dos grandes monumentos da cidade. Belfort, o campanário de Bruges, é um dos mais icónicos entre os turistas, já que do seu topo tem-se uma extraordinária vista sobre a cidade. Na mesma praça encontramos o Provinciaal Hof (o palácio provincial) e o Historium, no interior do qual temos uma extraordinária experiência, que nos leva numa viagem até à Bruges Medieval.

Logo ali ao lado, na praça Burg, encontram-se outros dois edifícios históricos da cidade: o Stadhuis (o edifício da administração), um dos mais antigos de toda a Flandres, onde se pode ver uma exposição sobre a história governativa da cidade. A Bloed Basiliek van het Heilig (Basílica do Santo Sangue), um edifício no canto da praça que quase passa despercebido, e guarda o que muitos crêem ser o sangue de Cristo, relíquia que terá chegado à cidade durante século XII, na sequência de uma cruzada.

bruges-roteiro

bruges-roteiro

 

bruges-roteiro

bruges-roteiro

bruges-roteiro

bruges-roteiro

Bruges: entre ruas, praças, mercados e chocolatarias

A partir do centro, só nos resta perder-nos entre as ruas e pontes, explorarmos a cidade de forma atenta, para que não nos escapem aqueles recantos escondidos, onde podemos apreciar sossegadamente os canais e ouvir os sinos que acompanham toda a nossa caminhada. A melodia é bela e condiz com a paisagem, com os pacíficos canais, com as pitorescas ruas e a calma agitação da cidade.

Encontrar montras recheadas de chocolates e outras tantas delícias não é difícil, mas de todas as que vi na minha estada na Bélgica, a única que me conquistou e da qual levei todos os meus chocolates foi a Chocolaterie Jan De Clerck, na Academiestraat de Bruges. Ao entrar, a doce essência do chocolate paira no ar e, com toda a variedade e bons preços (bem mais barato que a Godiva ou Leonidas, marcas mais vendidas entre os turistas e com preços astronómicos), o difícil é escolher.

bruges-roteiro

 

E se houver tempo…

Se restar tempo e energia, então vale a pena conhecer os limites da cidade histórica. A nordeste, os 4 sobreviventes de um conjunto de 25 moinhos de vento. Apesar de serem desviados do centro, o passeio até lá, entre bonitas fachadas, praças, pontes e pequenas ruelas vale definitivamente a pena. O Sint-Janshuismolen, construído nos finais do século XVIII, é o único moinho que se encontra visitável e a trabalhar. Se o dia estiver solarengo, aproveitem para parar um pouco no café De Windmolen, numa esquina junto ao moinho que por certo não vai passar despercebida – a fachada pintada num amarelo forte e a bonita decoração da sua esplanada não permitem.

No canto oposto da cidade, a sudoeste, podemos encontrar o que restou da fortificação medieval da cidade: um dos seus quatro portões. Reza a história que o crânio que ainda hoje vemos dentro deste portão – uma réplica em bronze, diga-se – é de um antigo traidor, que abriu os portões da cidade numa tentativa de tomada da fortaleza, em 1688. Os outros três portões também se encontram conservados, mas este merece uma visita. Porquê? Porque ao seu lado encontra-se um dos locais mais românticos da cidade: um jardim à beira rio, de uma beleza indescritível, que só as fotografias poderão ajudar a compreender – mais uma vez, uma beleza digna de postal.

bruges-roteiro

bruges-roteiro

bruges-roteiro

bruges-roteiro

bruges-roteiro

 


 Guia prático

Como chegar a Bruges?

A Bélgica tem um espectacular sistema de comboios que une as principais cidades. Bruges fica a menos de uma hora de Gent e a pouco mais de uma hora de Bruxelas, e a frequência destes comboios permite inclusivamente um “bate-e-volta” a várias cidades (ir bem cedinho e regressar ao final da tarde). Os horários encontram-se todos neste site e os preços são bem acessíveis.

Dica:

Se tens menos de 26 anos, pede o desconto Go Pass 1 (para menores de 26) ao comprares os bilhetes de comboio. As viagens ficam todas à volta de 6€, excluindo apenas o percurso Bruxelas-Aeroporto, ao qual o desconto não se aplica.

Onde ficar em Bruges?

O alojamento em Bruges não prima por ser económico. Ainda assim, existem algumas opções: o Hostel Europa é dos poucos abaixo de 50€/noite e um dos mais económicos de Bruges (mas um pouco longe do centro histórico). Para algo mais recatado e um pouco mais perto do centro, o Guesthouse Orchid é uma excelente opção. No Booking podes encontrar muitos mais alojamentos em Bruges e várias promoções. E já sabes: marca a tua viagem através dos links do blog e, sem gastares nem mais um cêntimo, ajudas o Aonde (não) estou a crescer!

Onde comer em Bruges?

Um sítio bastante em conta onde podem comer e provar algumas cervejas, ainda que algo desviado do centro, é o ‘t kroegstje, na Carmersstraat. Outro sítio em conta é o ‘t risico na Jeruzalemstraat. Para um jantar à luz das velas e comida local (mas não tão em conta), o Gran Kaffee de Passage na Dweersstraat é uma boa opção.

O imprescindível:

Begijnhof  xx  Onze-Lieve-Vrouwekerk  xx  Belfort  xx  Grote Markt  xx  Historium  xx  Burg Markt  xx  Provinciaal Hof  xx  Stadhuis  xx  Bloed Basiliek van het Heilig  xx  Sint-Janshuismolen  xx  Groeninge Museum

Sites:  

Visit Bruges       |         Historium