lisboa

 Tal como quase toda a gente, passo a maior parte do meu ano sem viajar. Se é certo que tenho tentado arranjar formas de viajar mais – e, aos poucos, tem sido possível -, também é verdade que ainda é muito o tempo que passo pela minha cidade. Não podendo entrar num avião todos os meses, vou fazendo programas que me levem a viajar um pouco por cá – sejam escapadinhas de fim-de-semana por Portugal, ou dias interessantes por terras vizinhas.

Lisboa é um destino recorrente. Seja pelas constantes novidades que a cidade tem, por adorar o seu centro histórico ou por viver ao seu lado, é frequente dirigir-me para lá quando quero ter um dia diferente. E ontem, mais uma vez, assim fiz. O programa não era ambicioso: queria conhecer a exposição do Almada Negreiros e jantar algures por lá, num sítio que ainda não conhecesse. Um final de tarde interessante e uma noite calma – era só isso que queria.

(+) 10 sítios arqueológicos visitáveis em Lisboa e arredores
(+) Lisboa: 8 sítios a conhecer por menos de 3€
(+) O que visitar em Sintra
(+) 5 formas de viajar sem sair de casa

Isto de ser moderno é como ser elegante: não é uma maneira de vestir mas sim uma maneira de ser.

Ser moderno não é fazer a caligrafia moderna, é ser o legítimo descobridor da novidade.

José de Almada Negreiros, conferência O Desenho, Madrid, 1927

Esta frase é o mote da exposição do José de Almada Negreiros, que está no Museu da Gulbenkian até Junho. A apresentação da obra do autor ocupa dois pisos e dá-nos a conhecer as suas várias facetas, desde as suas obras mais conhecidas a outras que nem tanto. E assim descobri as suas pinturas abstractas (que desconhecia); passei pelos seus vários auto-retratos; conheci os trabalhos para espaços públicos – das encomendas de painéis ao tão conhecido retrato do Fernando Pessoa -; descobri a relação do autor com o cinema e com o humor; e admirei, através de inúmeros desenhos e alguns quadros, aquela que é a minha faceta favorita – a da exploração do corpo e do movimento, em que a impressionante linguagem de Almada Negreiros se torna evidente.

lisboa

lisboa

O jantar foi pela Hamburgueria 21, entre o Campo Pequeno e o Areeiro. O restaurante estava cheio mas, ainda assim, o atendimento foi rápido e simpático. Os escolhidos foram O Guloso – um hambúrguer com cogumelos, cebola caramelizada, bacon, alface e tomate – e o Cabra de Dijon – um (potente) hambúrguer com queijo  de cabra, mostarda dijon, mel, cebola caramelizada, tomate e alface. Vinham acompanhados de umas deliciosas batatas às rodelas finas e molho de alho, tudo super bem servido. Para refrescar, veio a necessária limonada. Entre conversa e pratos deliciosos e bem servidos, foi um excelente final de dia.

 E é por este tipo de dias que os finais de semana valem a pena!

lisboa

lisboa

lisboa

 


Já conhecem o ebook gratuito “Como Viajar Mais”? Façam o download do vosso > Saibam mais aqui.


newsletter-blog