coimbra-2-dias

Após vários anos a adiar um regresso a Coimbra, em 2017 lá aproveitámos um fim-de-semana prolongado para pegar no carro e rumar à cidade banhada pelo Mondego. Com uma das mais antigas Universidades do mundo e um Centro Histórico bem conservado e repleto de História, Coimbra é paragem obrigatória para quem quer conhecer o centro do país.

O roteiro para dois dias na cidade de Coimbra pode organizar-se da seguinte forma:

  • Um primeiro dia em que a manhã é dedicada à Universidade e a tarde ao Museu Machado Castro e a percorrer as ruas do Centro Histórico até à Baixa da cidade.
  • Um segundo dia com uma manhã do outro lado do Mondego, um passeio pela Quinta das Lágrimas e uma visita ao Mosteiro de Santa Clara-a-Velha; e uma tarde pelo sítio arqueológico de Conímbriga (Condeixa-a-Nova).

 

1. A Universidade de Coimbra

Nesta breve passagem por Coimbra um dos locais imperdíveis – e o primeiro que visitámos – é a Universidade considerada Património Mundial pela UNESCO. Fundada em 1290 por D. Dinis, assiste a um período de itinerância que só viria a terminar em 1537, pela mão de D. João III, momento em que se fixa definitivamente na cidade.

A primeira paragem é, naturalmente, o Pátio das Escolas, em redor do qual, logo em 1544, se reúnem todas as faculdades da Universidade de Coimbra. Daqui, além de uma extraordinária vista sobre o Mondego, vemos alguns dos ex libris da Universidade: a Torre da Universidade; a entrada para a Biblioteca Joanina; a Via Latina, através da qual se acede à reitoria e suas dependências; a estátua de D. João III, o “refundador” da Universidade; e a Porta Férrea, que marca a entrada no núcleo histórico da Universidade.

universidade coimbra

universidade coimbra

universidade coimbra

Depois de um breve passeio por este enorme pátio, começámos a explorar o interior da Universidade. Passando pela Via Latina, uma longa varanda marcada por colunatas, que em tempos foi a fachada do Paço Real, acede-se ao labiríntico interior da instituição.

universidade coimbra

universidade coimbra

A Sala das Armas – ou dos Archeiros – é a primeira com que nos deparamos depois de entrar no edifício. Esta alberga as armas da extinta Guarda Real Académica e é ainda hoje utilizada para cerimónias solenes. Logo ao lado está a Sala Amarela, nome que deve às paredes forradas a seda da referida cor, preenchidas com retratos de antigos reitores da Universidade.

universidade coimbra

universidade coimbra

É também através da Sala das Armas que se acede a um longo e esguio corredor que liga as restantes salas desta zona da Universidade, das quais se destaca a Sala dos Capelos – ou Sala dos Grandes Actos -, a principal da Universidade de Coimbra e aquela onde se realizam as mais importantes cerimónias da Academia. Sobressai pela sua majestosidade, pelos painéis que preenchem o tecto e pelas grandes telas com representações dos Reis de Portugal.

Percorrendo o corredor até ao fim, alcança-se uma varanda de onde se tem uma formidável vista sobre a Baixa da cidade.

universidade coimbra

universidade coimbra

coimbra universidade

Descendo agora até ao piso térreo, e depois de passar por um pequeno pátio interior que dá acesso a um conjunto de salas, seguimos até à Capela de S. Miguel, onde encontramos paredes cobertas por azulejos, um retábulo principal dourado onde se destacam as pinturas sobre a vida de Cristo e um extraordinário órgão de estilo barroco.

coimbra universidade

coimbra universidade

coimbra universidade

Depois de todas estas voltas pelo interior da Universidade, que não roubam mais de uma hora, seguimos para um dos locais que mais queria conhecer (ou recordar): a Biblioteca Joanina. O acesso faz-se através do piso inferior, onde em tempos se situava a Prisão Académica – a única prisão medieval conservada em Portugal. Raro testemunho europeu de cadeia privativa, era aqui que os professores, funcionários e estudantes eram encarcerados – em muitos casos, por questões disciplinares -, ficando assim protegidos do contacto com os criminosos de delito comum.

E é depois de uma visita à Prisão Académica que se sobe até à fabulosa Biblioteca Joanina.

coimbra universidade

Construída de modo a exaltar o monarca e a riqueza do império, nomeadamente da provinda do Brasil, esta biblioteca é, para além de uma esplendorosa combinação de materiais exóticos, um verdadeiro cofre forte de livros.
in visit.uc.pt

Edificada durante o reinado do excêntrico D. João V, esta biblioteca possui um interior integralmente revestido por estantes forradas a folha de ouro. Para onde quer que se olhe só encontramos livros e a vontade é de alcançar cada uma daquelas estantes e começar a explorar os extraordinários exemplares que representam o que de melhor se produzia na Europa entre o século XVI e o XVIII.

Contribuem para a excepcional conservação destes exemplares a robusta construção da biblioteca – um autêntico cofre, com paredes exteriores de cerca de dois metros de espessura -, a madeira que a compõe e a colónia de morcegos que a habita e que, durante a noite, se alimenta dos insectos que vão aparecendo, ajudando assim na manutenção da colecção. Infelizmente, não é possível fotografar no interior da biblioteca, pelo que terão mesmo de a conhecer com os vossos próprios olhos.

Além deste núcleo principal, podem conhecer o Museu da Ciência (que não visitámos por falta de tempo) e o Jardim Botânico, que deixámos para o segundo dia e, infelizmente, não conseguimos visitar, visto que se encontrava fechado devido a uma celebração académica.

coimbra universidade

2. Museu Machado Castro e Sé Nova

Continuando pelo Centro Histórico de Coimbra, e logo ali ao lado da Universidade, encontra-se o Museu Nacional Machado Castro, um dos mais importantes museus de Belas-Artes em Portugal. O museu ergue-se sobre o Criptopórtico Romano do séc. I d.C., que foi extraordinariamente integrado no museu e pode ser explorado durante a visita ao mesmo. Logo em frente do museu encontram a Sé Nova de Coimbra, que existe desde 1698.

museu nacional machado castro

museu nacional machado castro

museu nacional machado castro

museu nacional machado castro

3. A Sé Velha, o Arco e Torre Almedina e a Baixa da cidade

É tempo de rumar à Baixa da cidade, seguindo pela lateral do Museu Machado Castro. Entre ruas estreitas e irregulares, em menos de nada chega-se à Sé Velha, mais um dos marcos de Coimbra. A construção desta igreja românica remonta ao século XII e, apesar das várias remodelações e acrescentos posteriores, mantém muito do que era a sua feição original.

Continuando a descida, começamos a descobrir uma Coimbra cheia de vida, entre bares, cafés e casas de Fado. Passando as escadas e Rua do Quebra Costas (quando tiverem de a subir vão perceber ao que se deve o nome), encontra-se finalmente o Arco e a Torre Almedina. Estes são os únicos vestígios da cerca medieval, que defendia a cidade intra-muros, e marcam a principal entrada na cidade e o início do Centro Histórico da cidade de Coimbra. Depois de passarmos por estes locais emblemáticos continuámos o passeio por mais algum tempo, até o cansaço se abater sobre as pernas e terminarmos o dia.

coimbra

sé velha coimbra

sé velha coimbra

coimbra

coimbra

torre almedina coimbra

coimbra

4. Jardins da Quinta das Lágrimas

A manhã do segundo dia começa com um calmo passeio pela Quinta das Lágrimas, que deve o seu nome aos infortúnios do romance entre D. Inês de Castro e D. Pedro I. Segundo a lenda, D. Inês foi assassinada neste local e as lágrimas derramadas deram origem à Fonte das Lágrimas, onde também se podem encontrar algas avermelhadas que, reza a história, são vestígios do sangue de Inês. Com jardins extremamente bem cuidados e espécies pouco comuns, o passeio pela Quinta das Lágrimas é uma forma fantástica de começar o dia.

quinta das lagrimas

quinta das lagrimas

quinta das lágrimas

quinta das lágrimas

quinta das lágrimas

quinta das lágrimas

5. Mosteiro de Santa Clara-a-Velha

Bem perto da Quinta das Lágrimas está o Mosteiro de Santa Clara-a-Velha de Coimbra, Monumento Nacional que, até aos anos 90, se encontrava parcialmente submerso pelas águas do Mondego. Fundado no séc. XIII, passou pouco depois por um período de abandono, sendo recuperado pela Rainha Dona Isabel de Aragão (mais conhecida como Rainha Santa Isabel), que se interessou pelo mosteiro e construiu novas áreas, fazendo dele aquilo que hoje vemos.

Alvo de sucessivas inundações derivadas das cheias do Mondego, é adaptado até ao limite até que é novamente abandonado no séc. XVII, momento em que as clarissas passam definitivamente para um novo convento. Estes problemas só foram definitivamente resolvidos nos anos 90, na sequência de um projecto de valorização do Monumento Nacional e sítio arqueológico, que coloca à vista tudo o que hoje podemos ver.

[SUGESTÃO: Para quem tiver curiosidade, o Portugal dos Pequenitos também fica nesta zona, entre a Quinta das Lágrimas e o Mosteiro de Santa Clara.]

mosteiro-santa-clara

mosteiro-santa-clara

mosteiro-santa-clara

mosteiro-santa-clara

mosteiro-santa-clara

6. Conímbriga (Condeixa-a-Nova)

Inevitavelmente, quem vai a Coimbra tem de fazer uma paragem pela vizinha Condeixa-a-Nova para uma visita à antiga cidade romana de Conímbriga. Sítio arqueológico extensamente escavado, destaca-se pelo extraordinário estado de conservação da cidade romana onde, da muralha ao Fórum e casas com os seus admiráveis mosaicos, tudo é fácil de compreender e identificar.

conimbriga

conimbriga

conimbriga

conimbriga

conimbriga

 

 Guia prático

Como chegar a Coimbra?

Nós fomos de carro mas a CP tem dezenas de comboios diários que passam por Coimbra. A estação de saída é Coimbra-B, a partir da qual devem apanhar o comboio que vai para Coimbra-A, na Baixa da cidade, sem ser necessário adquirir um novo bilhete (o bilhete para Coimbra-B, seja qual for a proveniência, serve para a curta viagem até Coimbra-A).

Onde ficar em Coimbra?

Existem centenas de opções de alojamento em Coimbra e basta entrar na página do Booking para perceber (já leram as minhas dicas para encontrar alojamento bom e barato no Booking?). Nós optámos pelo Airbnb porque queríamos alugar um apartamento. Se ainda não te inscreveste no Airbnb, aproveita este link e ganhas 35€ para a tua primeira reserva! E já sabes: marca a tua viagem através dos links do blog e, sem gastares nem mais um cêntimo, ajudas o Aonde (não) estou a crescer!

Onde comer em Coimbra?

Há muitos sítios onde comer em Coimbra mas se tivesse de sugerir apenas um local seria sem dúvida o Zé Manel dos Ossos. É simplesmente obrigatório.

O imprescindível:

A Universidade  xx  Sé Velha xx Torre Almedina xx Baixa de Coimbra xx Quinta das Lágrimas xx Mosteiro de Santa Clara-a-Velha xx Jardim Botânico xx Museu Machado Castro xx Museu da Ciência da Universidade

Outros:

Conímbriga

Sites:  

visit.uc  conimbriga.gov


 
QUERES VIAJAR MAIS?
  Subscreve AQUI a newsletter do blog para receberes todos os conteúdos exclusivos, dicas e sugestões para viajares mais, gastando menos!
 
 
PLANEIA AQUI A TUA PRÓXIMA VIAGEM !
Se encontraste no Aonde (não) estou a inspiração que precisavas ou dicas que te ajudaram a marcar a próxima viagem, então ajuda-nos também a crescer – é muito simples e não vais gastar um único cêntimo! Utilizando os links de afiliados espalhados pelo site para marcares a tua próxima viagem e vais estar a apoiar o blog sem gastar mais por isso. Para ti, tudo fica igual. Para o Aonde (não) estou, é um importante apoio. Faz a tua reserva pelo BOOKING – site que utilizo há anos e te garante o melhor preço possível -, ou pelo AIRBNB – e ganha 30€ para a tua primeira viagem.