Vilarinho, mais conhecida como Vilarinho das Furnas, era uma aldeia da freguesia de Campo do Gerês, concelho de Terras de Bouro, em plena Serra do Gerês. Desde 1972 que se encontra submersa pelas águas do rio Homem devido à construção de uma barragem que dele se alimenta. Povoação perdida entre a Serra Amarela e a Serra do Gerês, emerge nos dias mais quentes, quando o nível das águas baixa, revelando-nos toda a sua história.

 

Viagem pela história de Vilarinho das Furnas

A aldeia de Vilarinho das Furnas encontra-se agora escondida entre as águas do rio e o tempo, mas as primeiras referências à aldeia remontam ao século XVI – ainda que se julgue que a sua origem é bem anterior. Até 1971, sobreviveu com uma história muito própria e tradições singulares. A organização da comunidade era muito peculiar: através de um regime comunitário, que funcionava de forma autónoma. A aldeia era dirigida por um Zelador e um grupo de seis membros, eleitos de seis em seis meses, entre os chefes de família da aldeia – incluindo mulheres, quando em caso de viuvez ou ausência do marido. Já o cargo de Zelador estava reservado apenas aos homens casados.
 
 
 
  

Como chegar?

 Visitei Vilarinho enquanto fazia o meu Intra Rail por terras lusitanas, pelo que não tinha carro. Para chegar à aldeia de Campo do Gerês terão de apanhar um autocarro em Braga, saindo na paragem Campo do Gerês. São cerca de 50km e a viagem passa num instante. Desde a freguesia de Campo do Gerês são cerca de 2km a pé – 1km até à barragem, outro depois. Da barragem até à aldeia submersa o caminho é de terra batida, não sendo sempre possível passar com o carro. O acesso a pé é fácil, mas podem também alugar uma bicicleta e aproveitarem para se perder pela zona, cujas vistas são deslumbrantes.
 
 
 
    

Onde ficar?

  As hipóteses não são muitas, mas são suficientes. Dado que estava a fazer o Intra Rail, fiquei na Pousada da Juventude do Gerês, uma das melhores em que já estive e que aconselho vivamente. Têm ainda a hipótese de ficar no Parque de Campismo da Cerdeira, que me chamou imenso a atenção quando por lá passei – parece fantástico – e tem imensas opções de alojamento! Se preferirem fazer um retiro mais prolongado com a família ao estilo turismo rural em pleno Gerês, então vejam a lindíssima Casa Sulfato, localizada bem no centro da aldeia Campo do Gerês.
 
 
 
 
 
 
 

Onde comer?

  Têm apenas e só duas opções: uma no Parque de Campismo da Cerdeira e outra a cerca de 8km de Campo do Gerês (se estiverem de carro, óptimo; se não, alugar uma bicicleta é – novamente – uma boa hipótese), O Abocanhado. Se não querem gastar muito dinheiro, aconselho-vos a levarem convosco algo para petiscarem pois nem mini-mercados se encontram. E atenção: na altura em que lá fui, nem sequer um multibanco existia! Não sei se agora já existirão, mas vão precavidos com dinheiro levantado para não vos acontecer o que me aconteceu a mim.
 
 
 
 

A não perder:

 

 
 
 
 
 
 
 
 

 

PLANEIA AQUI A TUA PRÓXIMA VIAGEM VIAGEM!
  Vais viajar? Se fizeres as tuas reservas através dos links dos posts aqui no blog vais contribuir para o crescimento do Aonde (não) estou, sem gastares nem mais um cêntimo por isso. Faz a tua reserva pelo BOOKING – site que utilizo há anos e te garante o melhor preço possível -, ou pelo AIRBNB – e ganha 30€ para a tua primeira viagem.