medicina-tropical-consulta-viajante

Quando viajamos para determinados lugares, como a América do Sul e Central, Ásia ou África, os cuidados com a saúde e alimentação devem ser redobrados. Estamos em contacto com um ambiente muito diferente do nosso, onde tudo é distinto: o clima, a qualidade da água, a forma como os alimentos são produzidos e processados, as doenças existentes e os agentes transmissores destas. Por essas razões, devemos tomar todas as precauções possíveis: antes, durante e, se necessário, após a viagem.

Viajar é das melhores experiências que podemos ter, pelo que devemos evitar manchar essa espectacular experiência com a memória de um problema de saúde chato e desnecessário. Portanto, é necessário prevenir. E por mais sites e blogs de viagem que leiam, ninguém vos saberá informar melhor sobre os cuidados que deverão ter durante a vossa viagem que um médico: por isso existe a consulta do viajante.

O que é a consulta do viajante e para que serve?

A consulta do viajante é feita por médicos especializados em medicina tropical e doenças infecciosas, que te aconselham sobre “as medidas preventivas a adoptar antes, durante e depois da viagem”. Estas passam por medicação, vacinação, higiene, alimentação, entre outras questões relacionadas com a saúde em viagem.

Quando devo ir?

O ideal é que sempre que viajes para fora da Europa marques uma consulta do viajante. Esta deve acontecer cerca de um mês antes da viagem.

Como posso marcar?

Podes fazer a consulta do viajante através do Serviço Nacional de Saúde ou por Telemedicina. Se optares pelo SNS, convém ligares para o centro de vacinação internacional mais próximo da tua área de residência dois ou mais meses antes da tua viagem. Podes marcar ligando para o número que está no site do SNS e é mesmo importante que o faças com antecedência, pois as consultas só acontecem em determinados dias e horários reduzidos. O valor da consulta do SNS é o da taxa moderadora (5€), ao qual acresce o das vacinas que tomares.

Se não quiseres ir ao SNS e preferires algo mais expedito, então a consulta por Telemedicina é uma boa opção. É uma consulta feita por videoconferência, pelo que apenas necessitas de uma câmara, microfone e ligação à internet. O custo é de cerca de 25€ por pessoa, valor que varia para consultas de casal ou de família.

Mas vale a pena?

Não tenho dúvidas: claro que sim. Ainda que nem sempre tenha tido boas experiências (cheguei a ser atendida por uma médica que me parecia perceber pouco do que estava a fazer), não podemos em momento algum colocar em risco a nossa saúde ou confiar apenas no que encontramos escrito pela internet. O médico que nos atende tem em atenção o destino e os sítios por onde vamos passar, o nosso histórico clínico e até o percurso que fazemos. Vai ter em conta a nossa situação particular: da nossa viagem e da nossa saúde.

Há certos países onde não se pode entrar sem determinada vacinação, pelo que a toma é obrigatória – sob pena de não se poder entrar no país ou ter de a tomar lá. Nos restantes casos, em que a obrigatoriedade não existe, os médicos optam pela prevenção: mesmo que o risco de determinada doença seja mínimo, preferem receitar a medicação e/ou vacina, particularmente quando se trata da malária e da febre amarela. Por outro lado, vão sugerir-te uma série de medicamentos para fazeres face a diversas situações que podem surgir durante a viagem e, se pedires, ainda te fornecem uma prescrição médica (para os medicamentos que por norma não necessitam), de forma a que não tenhas problemas a passar fronteiras com os medicamentos.

E não te esqueças…

Por mais que tomes medidas preventivas, há sempre possibilidade de acabares doente em viagem. Situações como febres, problemas de intestinos e estômago são mais do que frequentes – é mesmo assim! Por isso deves precaver-te e levar contigo todos os medicamentos que possam vir a ser necessários, bem como o contacto do teu médico. Para grandes viagens, fazer um seguro de viagem é sempre uma segurança extra. O da World Nomads é o mais utilizado entre os bloggers de viagem que conheço e recomendado pela Lonely Planet e Rough Guides, para além de ser bastante acessível e fácil de fazer.

Queres mais dicas para planeares a tua próxima viagem? Clica aqui!