Adoro viajar e procuro fazê-lo tanto quanto possível. Mas dado que só recentemente terminei a minha jornada enquanto estudante, o meu orçamento é quase sempre reduzido – o que nunca me impediu de continuar a conhecer um pouco mais do nosso mundo. Acima de tudo exige alguma organização e planeamento, no entanto é completamente possível. Seguem algumas dicas sobre como organizar uma viagem de baixo custo.

 

1. Planear com antecedência
Este ponto é crucial, o mais importante de todos. Quanto mais cedo definirem o vosso destino, melhor organizam a viagem. Mais tempo têm para calcular gastos, marcar aviões a preço acessível e encontrar alojamento. Se deixarem tudo para a última é garantido que a viagem vai sair bem mais cara. Portanto, ter tudo definido 5 a 3 meses antes (dependendo do destino) é, na minha opinião, o ideal.
 
2. Escolher o destino
Antes de mais, procurem prever o dinheiro que julgam vir a ter disponível e a partir daí façam opções. Escolher o destino pode ser complicado, mas se fizerem uma lista com os sítios que mais gostariam de visitar e a partir daí perceberem qual se enquadra no vosso orçamento, a tarefa torna-se mais simples. E lembrem-se, vão ter sempre as próximas férias para conhecer um novo lugar!

3. Fazer um orçamento
Pesquisar é importante para calcular os custos que vão ter durante a estadia. Procurem os pontos de interesse, valores de entradas em museus, monumentos e outras atracções, bem como despesas de transporte (metro, comboio ou autocarros). Desta forma conseguem prever todos os gastos que vão ter, ficar com a certeza de que o destino se encaixa no vosso orçamento e evitar sustos durante a viagem!

4. Definir datas

Este ponto depende obviamente da vossa disponibilidade. Mas há épocas mais baratas para viajar e as diferenças de preço do avião e alojamento podem ser consideráveis. Se tiverem a possibilidade de viajar em época baixa ou intermédia (variam conforme o destino), vão reduzir muito o custo total da viagem. Caso sejam flexíveis nas datas, aproveitem o voo mais barato.
 
5. Marcar os aviões
Quanto mais cedo começarem a pesquisar avião, mais hipóteses têm de encontrar uma boa oferta. Os preços dos aviões sofrem grandes alterações semanais (e até diárias), portanto se acharem que o valor em dado momento está muito alto, esperem uns dias  e estejam atentos às variações dos preços. Na última vez que fui a Madrid comprei o bilhete de avião por 11€ – desceu 20€ de um dia para o outro e logo a seguir voltou a subir. Faltavam 5 meses para a data em que previa ir e nem contava marcar avião naquele dia, mas perante tal preço nem hesitei. É este tipo de promoções relâmpago que podem encontrar se pesquisarem regularmente. E se as encontrarem, não pensem duas vezes: marquem! Os motores de busca que mais uso são o momondo, o skyscanner e a agência eDreams – sendo os dois primeiros mais vantajosos por permitirem colocar alertas que vos avisam sempre que há alterações de preços.
 
Mas há outras coisas a ter em consideração ao marcarem o avião. É igualmente importante verem os horários de chegada e partida e tentarem ajustá-los aos vossos planos. Por exemplo, viajar durante a noite é uma excelente forma de poupar dinheiro em alojamento, tal como marcar o avião de partida para a madrugada e o de regresso para a noite vos permite aproveitar os respectivos dias.
Convém também evitar a mala de porão. Antes de mais porque, sejamos realistas, ninguém precisa de levar a casa atrás para viajar – e provavelmente só vos vai dar mais trabalho. A mala de cabine poupa imenso dinheiro e tempo, já que não é necessário esperar nas longas filas do check-in ou ficar em pânico até que a mala nos apareça à frente no tapete rolante. Apenas lembrem-se de verificar o peso/medidas limite em cada companhia (variam), para evitarem problemas e custos adicionais.

6. Esperar, poupar – a parte complicada

Tendo em conta toda a pesquisa que fizeram antes, comecem a poupar. Muitas vezes só conseguimos juntar dinheiro quando temos um objectivo em mente e por isso vos digo que é bom se começarem a pensar na vossa viagem uns bons meses antes. Reduzam os gastos diários, abdiquem do que não faz assim tanta falta e garanto-vos que conseguem. Mas não deixem de viajar só por não terem uma conta milionária.
 
7. Marcar alojamento
Se não quiserem correr muitos riscos e tiverem pouco tempo para ficar no destino em questão, convém que o alojamento esteja marcado antes de partirem. Não é necessário que se marque ao mesmo tempo que o avião, mas é bom se forem verificando os preços regularmente – mais uma vez, é possível que apareçam promoções flash. E têm tantas opções! Se estiverem moderadamente à vontade, têm imensos hostel e bed&breakfast disponíveis por todo o lado. Caso o orçamento seja reduzidíssimo, podem sempre optar pelo couchsurfing, em que não pagam a estadia. Vejam as condições e opiniões de utilizadores anteriores sobre cada sítio e marquem!

 

Enfim, é isto – exactamente o que faço para conseguir planear uma viagem com um orçamento reduzido. Viajar com pouco dinheiro é possível e, como escreveu Filipe Morato Gomes, “Mais que dinheiro, é preciso vontade para tomar as decisões que permitam partir. Optar. Porque viajar não é coisa de ricos – e disso tenho eu a certeza.

 

 
 
PLANEIA AQUI A TUA PRÓXIMA VIAGEM !

  Vais viajar? Se fizeres as tuas reservas através dos links dos posts aqui no blog vais contribuir para o crescimento do Aonde (não) estou, sem gastares nem mais um cêntimo por isso. Faz a tua reserva pelo BOOKING – site que utilizo há anos e te garante o melhor preço possível -, ou pelo AIRBNB – e ganha 30€ para a tua primeira viagem.